sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Dicas e Truques: Demon's Crest

Passwords das fases:
Fase-2     GDBF - YLFV - HZJS - ZHCS
Fase-3     HDDM - NTKB - HQLF - XKLD
Fase-4     VWNP - XSQX - CGBH - BPJB
Fase-5     DKHH - UMHH - UMBH - CSWN
Fase-6     YZHF - MMXK - VJDR - GMWQ
Fase-7     PBGX - RVNG - KGKX - WRSB   
   
Passwords extras:
Todos os ítens,poder lutar com Phalanx em sua forma final, poder lutar com o Dark Demon:
TDGM-JRMB-DBWB-ZWSB
Todos power ups, ítens e life antes de lutar com Phalanx:
YDQM-RRMC-FJGL-DTSG
Jogue com o gárgula final:
FDQP-QRMB-FGNH-GTKL

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Incantation

Gênero: Aventura
Ano: 1996
Fabricante: Titus
Incantation é um joguinho interessante de SNES,talvez por não ser muito famoso e ter saído um tanto tardio para o console (1996), ele não chama muita atenção, exceto pelo visual bacana do jogo. Na verdade, esse jogo da Titus não tem nada de extraordinário, mas, em meio à tantos jogos complicados de hoje em dia, ter um game onde basta pular e atirar já serve como uma terapia de relaxamento.

Pensando por esse lado, Incantation serve muito bem com a proposta de um pequeno mago em busca de itens para formentar novas magias e encantamentos. Como missão em cada fase, é preciso encontrar três penas mágicas, ou então não conseguirá avançar, pois um enorme orc impede sua passagem no final de cada etapa. Pois é, o game lhe obriga a explorar o cenário, o que, de fato, não é tão ruim assim não...

De longe, o maior chamariz do jogo é seu visual. As fases são variadas, indo desde cavernas, florestas, jardins, lagos, mais cavernas, algumas montanhas e até uma cidade sob nevasca. Em cada uma delas, como eu mencionei, é preciso encontrar 3 penas perdidas, que são a passagem pra próxima fase. O local delas geralmente é óbvio e fácil de achar, mas em algumas fases "labirínticas" é preciso uma certa dose de paciência para fuçar cada canto do cenário.

Como arma, o jovem aprendiz de feiticeiro tem um bastão mágico, que pode ser equipado com diversos tipos de magia. Itens são encontrados em baús espalhados pelos cenários, indo desde energia, moedas (100 dão uma vida) e as diversas magias (contei 3). A mecânica do jogo, em geral, lembra um pouco Megaman, pois atirar e pular são as únicas coisas feitas na tela. Há um botão parar correr que também serve para acertar o solo com o bastão, mas é comumente mais usado nas fases adiantadas.

Em alguns lugares, pérolas de bônus podem ser encontrados. Ao quebrá-las com seus tiros, o protagonista é transportado para algum local da fase, geralmente com itens importantes e muitas moedas. Essas pérolas estão localizadas em lugares óbvios no começo, mas ficam cada vez mais escassas nas fases finais. O game ainda conta com um chefe no final de cada fase, sendo que este se repete por três fases até acabar o "mundo". Uma repetição que soa preguiça dos desenvolvedores, contudo.

O jogo possui músicas fracas e repetitivas. Os efeitos sonoros são simples, apesar de que, pra um jogo desse tipo, não é necessário nada muito específico. No entanto, o personagem solta um berro cada vez que é acertado, o que pode cansar depois de um tempo.

Incantation pode muito bem servir como um belo passatempo. Possui toneladas de fases, gráficos charmosos e uma dificuldade aceitável. Controlar o personagem é simples e sua mecânica a la Megaman agrada quem curte os jogos do robô azul, apesar da repetição das ações. Recomendado.

Créditos Review: Cosmão

Download: Clique Aqui

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Zombies Ate My Neighbors

Gênero: Ação
Ano: 1993
Fabricante: Konami/LucasArts
Embora tenha sido publicado pela Konami, Zombies Ate My Neighbors foi totalmente desenvolvido pela LucasArts que, lá em 1993, ano de lançamento do cartucho, ainda era mais conhecida por seus jogos de aventura  para computadores, como os clássicos Day of the Tentacle e Sam & Max Hit the Road. Mas aparentemente trabalhar tão longe de sua zona de conforto não foi problema algum para o pessoal da LucasArts, que entregou um dos mais irados e cultuados jogos da geração.

Zombies Ate My Neighbors é um divertido run and gun, aquele gênero de ação em que você controla os personagens com uma câmera superior, algo que ficou bem popular na década de 1990 graças a jogos como Contra, também da Konami. Mas aqui, ao invés de controlar dois soldados anabolizados que mais parecem sósias de Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger, entram em cena os adolescentes Zeke e Julie, dois jovens americanos típicos. Ele com um cabelinho de Bart Simpson e óculos 3D sem qualquer motivo aparente, e ela com um ar de adolescente sapeca de sitcom. São esses dois que, armados somente com pistolas d’água, devem salvar o mundo do apocalipse zumbi. Quem poderia adivinhar que a água seria nossa maior arma contra os mortos-vivos?

Zombies Ate My Neighbors conta com quarenta e oito fases ao todo, mais sete níveis bônus opcionais. O jogo se passa em ambientes bem variados que vão desde shoppings e pirâmides até castelos mal-assombrados, então você nunca vai ficar entediado, e o sentimento de frescor e novidade é constante. A cada nova fase você fica imaginando qual filme ou monstro clássico será homenageado a seguir, então dá vontade de explorar cada cantinho em busca de referências (ou porque o jogo realmente o obriga a investigar os cenários por completo para poder passar de fase).

O objetivo é encontrar e tentar resgatar todos os "vizinhos" que sobreviveram ao ataque dos monstros. Funciona mais ou menos assim: se você encosta no vizinho primeiro, ótimo! Ele está salvo. Mas se um inimigo qualquer toca nele antes, é tchau, tchau e “te vejo na outra vida, brother”. É preciso que pelo menos uma das pobres vítimas chegue com vida ao final do nível, o que torna a corrida contra os monstros bem angustiante nos níveis mais avançados. São vários tipos de pessoas para resgatar, desde cheerleaders e professoras, passando por bebês e churrasqueiros, até gordos aposentados que passam o dia tomando sol  na piscina, e cada espécie de vizinho garante uma pontuação diferente quando resgatado . Depois que você encontra todos os humanos, uma  porta mágica se abre e  o leva a próxima fase, onde mais uma corrida frenética pela sobrevivência tem início. Agora, se todos morrerem, é game over.

Embora o jogo ostente zumbis em seu título, a verdade é que ele é uma grande homenagem ao gênero do terror como um todo, citando várias obras de sucesso da área. Não se espante ao notar, na fase do shopping, que um brinquedo assassino pulou de sua caixa na sessão de bonecos e está correndo atrás dos pobres heróis com uma machadinha. Em outro momento você vai estar passeando por um labirinto de cerca viva  que parece tirado diretamente do clássico “O Iluminado” , de Stanley Kubrick. Se isso, por si só, já não fosse assustador o suficiente, espere até a cerca viva  desse tal labirinto ser cortada sem piedade pela motosserra de um enorme homem cheio de esteroides, usando  uma máscara de hóquei que parece saída diretamente da série “Sexta-Feira 13” . Nunca foi gasto um centavo com licenciamento, mas pode apostar que o pessoal da LucasArts queria que você pensasse que aquele inimigo era o Jason.

Mas não para por aí. Não senhor. Além de múmias, lobisomens e outros monstros clássicos, para completar o terror há ainda inimigos alienígenas com clara inspiração no cinema de ficção científica mais trash, aqueles filmes B que você sempre encontra nas madrugadas solitárias quando assiste TV a cabo. Estou falando de formigas gigantes assassinas, bolhas grudentas vivas, óvnis e até mesmo minhocas mutantes. Se você é do tipo que adora essas coisas bizarras, vai adorar descobrir que um dos chefes de fase é um bebê gigante. Mais trash e surreal, impossível!

Como na época do lançamento do jogo ainda não existia um órgão responsável por estabelecer a faixa etária recomendável para videogames, uma boa parte do conteúdo mais adulto do jogo acabou sendo alterado pela própria Nintendo ou por comitês de censura de nações europeias. Da parte da Nintendo, como a companhia historicamente nunca gostou de ter seu nome ligado à violência, ela pediu à LucasArts que removesse da versão do jogo para Super Nintendo qualquer menção à sangue, e que o substituísse por uma gosma roxa sempre que possível.

Até aí tudo bem, bem compreensível até. O maior problema ocorreu mesmo no Reino Unido e em outros países da Europa, onde o jogo foi lançado somente com o nome Zombies, omitindo completamente a parte sobre vizinhos devorados, o que acabou se tornando uma das decisões mais rigorosas e gratuitas da indústria dos videogames.

Então se você nunca curtiu essa divertidíssima aventura de terror da LucasArts, vá correndo para jogá-la.Antes que o apocalipse zumbi não chegue antes e dizime toda a nossa sociedade. Até lá, deixe uma pistola d’água engatilhada. Você nunca sabe quando ela pode salvar sua vida.


Créditos Review: Thomas Schulze

Download: Clique Aqui!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Detonado: Mortal Kombat 1 - Todos os Golpes e Fatalities


Liu Kang

Um monge de Shaolin, Liu Kang está destinado a se confrontar comShang Tsung e salvar a Terra do mal, mas Liu está mais interessado em vingança, pois Shang Tsung matou seu irmão e ele só poderá vencê-lo quando
deixar seu ódio de lado.
Liu Kang cumpre seu destino e torna-se o campeão do Mortal Kombat, acabando com os planos de Shang Tsung, ele volta para o Templo de Shaolin para continuar seu treinamento.



Golpes
Fireball: → →  Y
Flying Kick: → →  X
Fatality
Segure L e rotacione o controle no sentido anti-horário começando com →.

Scorpion
Um dos servos de Shang Tsung, Scorpion é uma espécie de mortovivo, que não tem pena de seus oponentes, ele costuma usar de truques sujospara derrotá-los e reduzí-los a cinzas.
Ao derrotar Shang Tsung, Scorpion se livra da maldição que fazia dele um morto-vivo, agora, livre do comando de Shang, Scorpion segue seu prórprio caminho.



Golpes
Arpão: ← ←  B
Teleport: ↓ ← Y
Fatality
Segure L e aperte ↑ 2x e ele irá cuspir fogo em seu oponente e deixando apenas cinzas como sobra (na distância de uma rasteira).

Sub-Zero 
Sub Zero é um dos servos de Shang Tsung e vai usar seus poderes congelantes para aniquilar os guerreiros da terra, um guerreiro frio e sem sentimentos, que não hesita em matar seu oponente. 
Livre do comando de Shang Tsung, Sub Zero tenta seguir seu caminho,mas isso não será fácil pois seu rival Scorpion irá perseguí-lo onde querque ele vá.



Golpes
Freeze: ↓ → B
Slide: ← + L + R 
Fatality
Aperte → ↓ → e B e ele irá congelar e arrancar a o crânio e a coluna tudo numa mesma tacada (de perto).

Sonya Blade
Uma agente das Forças Especiais que está atrás de Kano, pois quer se vingar pela morte de sua parceira, ela acaba seguindo-o até Outworld e se vê obrigada a entrar no torneio se quiser encontrá-lo, a partir daí, seus objetivos passam a ser bem mais amplos.
Após se tornar campeã do Mortal Kombat, Sonya volta para a Terra levando Kano em sua custódia, ela o entrega as autoridades para que ele seja julgado por seus crimes.



Golpes
Ring Toss:  ← ← B
Square Wave Flight: → ← B
Scissor Grab: ↓+ B+ L + R
Fatality
Aperte → 2x, ← 2x e L e ela sopra um beijinho de fogo e deixa o oponente apenas em cinzas.

Johnny Cage 
Um astro de filmes de ação, desacreditado pela mídia, que
afirma que seus movimentos de luta são uma fraude, para provar o contrário,Cage entra no torneio Mortal Kombat, só que ele terá que lutar por algo mais valioso que o Respeito das pessoas, terá que lutar por sua própria vida e pelo futuro da terra.
Após vencer o torneio Mortal Kombat e ganhar o respeito de todos,Jonhny Cage volta para Hollywood e se prepara para o seu próximo filme: 'Mortal Kombat" que promete ser um enorme sucesso e com muitas sequências.



Golpes
Green Flame: ← → B
Split Punch: ↓+B+A+L
Shadow Kick: ← → A 
Fatality
Aperte ← 3x e B e ele dá um uppercut, assim arrancando a cabeça do adversário. (de perto)

Rayden
O Deus do Trovão, Raiden entra no torneio para defender a Terra de Shang Tsung e seus lacaios, usando seus incríveis poderes, ele irá auxiliar os guerreiros da Terra nessa difícil missão.
Raiden consegue frustar os planos de Shang Tsung de dominar a Terra,após se tornar o campeão do Mortal Kombat, Raiden desaparece, mas deve
voltar se o mundo precisar de sua força novamente.



Golpes
Lightning Throw: ← ↓ → B
Torpedo: ←, ← → A
Teleport: ↓ ↓ e ↑ 
Fatality
Aperte Frente, Trás 3x e Soco Fraco e ele eletrocuta o adversário assim explodindo a cabeça. (de perto)

Kano
Um dos líderes do submundo na Terra, Kano agora trabalha para Shang Tsung e em troca de muitas riquezas, ele ensina os soldados de Outworld a usar as armas da Terra, ele tem uma briga particular com Sonia Blade, uma agente que o persegue.
Ao se tornar vencedor do Mortal Kombat, Kano lidera as forças de Outworld na invasão da Terra, o rei do submundo agora espalha o seu terror por todo o planeta.

Golpes
Cannonball: L e rode o D-Pad
Knife: Segure L e ← →
Shadow Kick: ← → L
Faltality
Segure L e aperte ← ← e B,arrancando o coração do oponente. (de perto)


Dica
Lute contra Reptile:

No modo de um jogador, chegue na fase "The Pit" sem ter perdido nenhum round,aqui, consiga dois Flawless Victory e use um Fatality no seu oponente, se
conseguir você enfrentará o ninja verde, cuidado, pois ele é bem apelão.


Créditos Detonado: Ash_Riot

Power Pigs of the Dark Age

Gênero: Aventura
Ano: 1995
Fabricante: Titus
Power Pigs of the Dark Age é um dos raros jogos de plataforma do SNES que pouca gente conhece. Misturando o gênero plataforma pula-pula com desenho animado, o game até empolga, mas peca num ponto crucial nesse estilo: a repetição de cenários. Apesar disso, o visual é bastante chamativo, além de mais algumas coisas interessantes aqui e ali...

Pra começar, o visual do jogo é muito bem feito. Não me vem à cabeça agora se esse jogo é baseado em algum desenho animado, ou se é simplesmente algo original, mas o capricho nos gráficos é algo raro de se ver por aí. Tanto nos personagens principais quanto nos cenários, é possível notar que o tom cartoon permeia todo o jogo, deixando tudo com um aspecto infantil e escondendo um jogo verdadeiramente desafiante. Sim, Power Pigs of the Dark Age é um jogo difícil pra caramba, mesmo parecendo não ser.

Você controla o principal dos três porcos da tela principal (há um modo 2 players também, mas não cheguei a testar), armado com uma espada e pedras, com a missão de destruir um ser maléfico que se transformou num lobo. Os comandos do jogo são simples, bastando apenas pular, atacar com a espada e jogar pedras/itens especiais nos inimigos. Controlar o personagem muitas vezes parece ser uma tarefa um pouco ingrata, visto que os controles não tem uma precisão muito boa. Espere até chegar em partes onde é preciso flutuar e com certeza concordará comigo.

Seu personagem pode atacar usando a espada, jogando projéteis ou até mesmo usando a própria bunda numa sentada fenomenal de dar inveja ao Mickey de Castle of Illusion. Na verdade, a tal bundada serve mais para abrir caixas do que para atacar inimigos. Tais caixas guardam desde donuts (que é a vida do player) até os mais variados projéteis arremessáveis.

A dificuldade do jogo consiste na exploração dos cenários e na variedade de inimigos. Apesar dos cenários serem quase sempre muito parecidos, o design cuida pra que não se tornem idênticos, oferecendo diversas rotas exploráveis muitas vezes cheias de itens bacanas para se coletar. Em outras palavras: exploração aqui é a chave para se dar bem na maioria das fases.

Apesar da barra de energia ser grande e se mostrar imponente no início do jogo, não se iluda com ela: algumas etapas prometem arrancar toda sua energia num piscar de olhos. Alguns inimigos são implacáveis e descobrir meios de destruí-los pode dar uma grande dor de cabeça muitas vezes. Cenários com espinhos e plataformas de difícil acesso (até pelo problema dos saltos mal sincronizados) coroam a gama de dificuldades a serem enfrentadas aqui.

Sob o aspecto sonoro, o game tem músicas bacanas e bem compostas. Claro, nenhuma vai grudar na sua cabeça, mas são bem feitas e não atrapalham em nada. Os efeitos sonoros são simples também e não adicionam nem subtraem em nada ao jogo.

Mesmo com sua dificuldade alta, Power Pigs of the Dark Age deve ser experimentado por quem curte o gênero plataforma. É um jogo mediano, bacana, com seus limites mas que esconde uma boa dose de exploração. Se souber contornar os problemas com saltos e comandos, poderá se divertir bastante com ele.


Créditos Review: Cosmão

Download: Clique Aqui!