quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Pink Panther Goes to Hollywood

Gênero: Aventura
Ano: 1993
Fabricante: TecMagik
História
A Pantera cor de rosa está a caminho de Hollywood para fazer um teste para um importante papel em um filme, enquanto é perseguida pelo incansável detetive Clouseau; durante a fuga, a Pantera entra nos estúdios da MGM e passa pelos sets de filmagem de alguns clássicos do cinema, como Poltergeist, Tarzan, Gata em Teto de Zinco Quente, dentre outros.

Gráficos
O visual do game é bastante colorido e animado, contando com um estilo inspirado nos desenhos da Pantera cor de rosa; o personagem principal é bastante fiel ao original, bem feito e detalhado; os cenários são ótimos, muito bem feitos, detalhados e diversificados, sendo todos eles inspirados em clássicos do cinema; os inimigos são bem feitos e variados, mudando de acordo com o cenário em que se encontram; a animação do jogo flui muito bem.
Imagens do jogo

Som 
As músicas presentes no jogo são muito boas e combinam bem tanto com o estilo do game quanto com o cenário em que são executadas; o grande destaque da trilha sonora do jogo é a presença da música-tema da Pantera cor de rosa, que foi muito bem adaptada para o SNES; os efeitos sonoros são bons, cumprindo bem seus papéis.

Jogabilidade 
Com bons controles; Pink Goes to Hollywood é um jogo de plataforma bastante tradicional para a época em que foi lançado, apresentando várias características comuns ao gênero, mas ao mesmo tempo, possui alguns aspectos próprios bastante interessantes, que tornam a experiência mais variada e menos genérica.

As fases são bastante variadas em termos de desafio, apresentando designs bastante variados entre si não apenas no que diz respeito às temáticas, mas também no que tange a elaboração dos desafios, adotando ambientes bastante amplos, com percursos não lineares, caminhos secretos e algumas soluções que fogem ao óbvio; nos cenários não costuma haver indicações do que deve ser feito ou para onde se deve ir, devendo o jogador explorar o ambiente por conta própria e descobrir os segredos do cenário através de tentativa e erro. No início do jogo, o personagem está em um ambiente no qual pode andar livremente, podendo escolher qual fase visitar ao entrar em objetos que representem o filme que o estágio dentro dele retrata; antes de entrar em cada filme, a Pantera passa por um pequeno trecho nos bastidores do set de filmagem, no qual deve desviar de câmeras que se movem para os lados e holofotes e sacos de areia que caem, para então chegar à fase de fato.

A Pantera cor de rosa possui alguns movimentos básicos para um jogo de plataforma, podendo andar, correr, pular, e atacar com uma arma que dispara uma luva de boxe retrátil, essa quantidade de movimentos pode parecer restrita, mas é o suficiente para lidar com os obstáculos e desafios presentes nas fases; o protagonista pode encontrar pelo cenário diversos itens, como power-ups que recuperam energia, estrelas que dão pontos, vidas extras e alguns objetos que influenciam na interação do personagem com o cenário, sendo bastante úteis para lidar com certas situações; dentro das fases é possível encontrar cabines cor de rosa, que auxiliam a Pantera a passar por certos trechos. A dificuldade pode ser ajustada e não há meios de salvar o progresso do jogador.

Considerações finais 
Pink Goes to Hollywood é um jogo interessante, pois ao mesmo tempo em que possui várias características comuns a jogos de plataforma da mesma época, aposta em soluções menos óbvias e com um apelo diferenciado, fora isso, o game é muito bom em aspectos técnicos como gráficos e trilha sonora; um game bastante interessante e que vale a pena!

Créditos Review: Gabriel

Download: Clique Aqui!

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Dicas e Truques: B.O.B.

 
Power-up no máximo:
Entre com o password 196420 para ficar com todo
os power-ups no máximo.
Todas as armas:
Entre com o password 0900 para ficar com todas as armas.  

Passwords de todas as fases:
Anciena - 1672451
Anciena - 2272578
Anciena - 3652074
Anciena - 4265648
Anciena - 5462893
Anciena - 6583172
Ending426081
Goth - Area 1000000
Goth - Area 1 - Todas as armas090000
Goth - Area 2171058
Goth - Area 3950745
Goth - Area 4472149
Unltra World - 1743690
Unltra World - 2103928
Unltra World - 3144985
Unltra World - 4775092
Unltra World - 5481376
Unltra World - Com todas as armas e remotes593172

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

SD2SNES (Análise) - (Review)

Com o advento dos Flash Cards, tendo início na era do Game Boy Advanced, é crescente o número de Flash Cards para os demais consoles que fazem uso de cartuchos.

Como não poderiam ficar de fora, quase todos os consoles retrôs tiveram flashcards produzidos. Atualmente, há no mercado flashcards para diferentes consoles (Snes, Mega Drive, N64, Game Gear, Master System, Gba, Nds...).

O SNES, dentre todos os consoles, é o que possui mais flashcards criados, com diferentes funções e preços. Podemos encontrar o Super Ufo Pro 8Snes PowerpakSuper EverdriveSnes Tototek e o SD2SNES, no qual trataremos agora.
Todos os flashcards criados até agora têm como principal propósito a possibilidade de ter todos os jogos reunidos em um único cartucho para jogar, mas o que dificulta tal possibilidade é a complexidade que determinados jogos possuem, isso porque alguns jogos têm chips especiais e estes não são suportados na maioria dos flashcards, ou quando suportado, é de forma restrita, como é o caso do Snes Powerpak e o Super Everdrive que só têm suporte a um único chip especial, o DSP1, mas a quantidade de chips não se restringe ao DSP1.
Agora é que o SD2SNES entra em cena, diferente dos demais, ele já possui suporte a diversos chips especiais e os que ainda não possuem suporte, serão implementados via atualização de firmware.

 Chips já suportados:
  • BS-X memory map / Satellaview
  • DSP1 / 1b
  • DSP2
  • DSP3
  • DSP4
  • ST-010
  • Cx4
  • MSU1
  • S-RTC
Grandes clássicos como Mega Man X2, X3, Top Gear 3000, Mario Kart e outros games que não eram suportados no demais flashcards, com exceção do Mario Kart que é suportado pelo Snes PowerPak e pelo Super Everdrive, são suportados pelo SD2SNES.

O seu desenvolvedor ucraniano, Ikari, está trabalhando para o suporte do Super FX, chip responsável para Super Mario World 2:Yoshi's Island, Star Fox e outros. Depois que terminar o Super FX, o próximo chip especial a ser implementado será o SA1, responsável pelo jogo Super Mario RPG e outros.

Segue abaixo alguns vídeos demostrando o funcionamento de alguns jogos que necessitam de chips especiais rodando no SD2SNES:

O SD2SNES não para por aí, ele conta com suporte ao MSU-1. Criado por Byuu, criador e programador do Bsnes, ele descobriu algo parecido com um exploit , algo deixado pela Nintendo no SNES. Primeiro ele deu o nome à descoberta de ''21FX'', mais tarde ele renomeou para S-MSU1.

Ele permite o SNES ter a capacidade de transmitir até 4GB de dados, possibilitando a reprodução de vídeo em alta qualidade a 30fps com 256 cores e áudio com qualidade de CD 44.1KHz em estéreo.

O resultado dessa impressionante capacidade que o SNES acabou adquirindo pode ser conferido pelo port do game Super Road Blaster, jogo lançado oficialmente para o Laserdisc.

Confira abaixo alguns vídeos que fazem uso da capacidade do MSU-1:
Super Road Blaster
Super Mario Odyssey MSU1 áudio demo:

Donkey Kong Country 2:

Super Metroid:
Vídeo de animação:


Confira suas características completas:
  • Suporte aos cartões de memória: SD/SDHC/SDXC (até 64 GB).
  • Slot de alta qualidade para os cartões.
  • Rápido carregamento de roms (~9MB/s).
  • Rápida navegação pelos menus.
  • Diretórios são automaticamente organizados em ordem alfabética
  • Menu de alta resolução (512×224) para disposição adequada dos nomes dos jogos.
  • Relógio em tempo real.
  • Suporte à ROM até 128MBit.
  • Gravação automática dos saves no cartão SD  enquanto o jogo é executado
  • Capacidade de atualização via firmware. 
  • SPC Player
  • SuperCIC key (SNES CIC clone):
    • permite o seu funcionamento em SNES de qualquer região.
  • Patch automático de região - eliminando a seguinte mensagem: “This Game Pak is not designed…” 
  • Suporte futuro: Game Genie e Action Replay.
Vídeos de jogos em funcionamento no SD2SNES:

O SD2SNES é sem dúvida o flashcard mais completo e promissor que o SNES possui, mas, por ter todas essas funções e o seu alto custo de produção, ele acaba saindo para o consumidor com um preço bem salgado, variando de 190,00 até 259,99 dólares de acordo com o  que vem acompanhado.

Você pode adquiri-lo por 190 dólares no site da Retrogate em sua versão mais simples, sem carcaça e cartão de memória, a qual pode ser adicionada por 16,00 USD e o cartão de memória por 10,00 USD. O frete para o Brasil na forma de envio mais econômica fica em 5,00 USD. Resumindo, caso queira somente o PCB do SD2SNES ele não sai por menos de R$ 400,00sem contar com o risco de ser taxado pela Receita Federal quando ele chegar ao Brasil.
Somente PCB:

Eu comprei somente o PCB, ele chegou sem ser taxado e em um envelope bem pequeno e discreto, ou seja, a possibilidade de ser taxado existe, mas é pequena.

Para os mais "endinheirados", tem a versão Deluxe da loja Stone Age Gamer, que está saindo por 259,99 USD. Esta versão acompanha o PCB, carcaça, caixa, manual, cartão de memória de 4GB, CD com firmware e cabo USB.


O SD2SNES tem tudo para ser o flashcard definitivo do Snes, contando com funções únicas e diferenciadas dos demais cards, além das futuras implementações que receberão, o que o torna completo. Caso tenha vontade e condições de adquirir um dos cards disponíveis no mercado, sem sombra de dúvidas, o SD2SNES é a melhor opção.

Site oficial do criador: Clique Aqui!
Atualizações (firmware): Clique Aqui!

Sites de venda:

sábado, 24 de novembro de 2012

Labels: The Legend of Zelda: A Link to the Past


Go Go Ackman

Gênero: Aventura
Ano: 1994
Fabricante: Bird Studio/Shueisha

A primeira coisa que se nota ao começar a jogar é o traço familiar dos personagens, que nos remete prontamente à Dragon Ball Z e similares. Pois então, o jogo é baseado em um mangá feito pelo pai de Goku, o próprio Akira Toriyama. O personagem principal do jogo, Ackman, é muitas vezes confundido com Trunks, pois tem traços bastante familiares e carrega uma espadinha com ele.

O mangá rendeu 3 jogos pro Super Famicom, sendo que apenas o primeiro deles foi traduzido. Eu pelo menos desconheço a tradução dos outros dois, mas na Wikipédia é dito que somente a história do primeiro game segue fielmente o mangá, sendo as sequências uma espécie de spin-off, então serve pra conhecer bem do que se trata tudo. Bom, no jogo controlamos Ackman, um capetinha ainda criança que é atormentado por um anjinho também criança, chamado Tenshin. Tenshin é visto várias vezes convocando as mais diversas personalidades bizarras pra tentar dar um fim nas travessuras de Ackman, e este por sua vez precisa matar o máximo de pessoas e coisas pra juntar almas para seu mestre. Como podem perceber, o teor tanto do jogo quanto do mangá é bem descontraído, tem muito toque de humor e apela pra violência gratuita de forma saudável, se é que fez algum sentido isso que eu acabei de dizer. É como um Dragon Ball pra crianças, sem aquele monte de personagens.

Ackman possui diversos golpes para se livrar dos inimigos. Entre eles estão a voadora e o soco, os mais usados, mas ainda podemos dar uma bela rasteira e um slide que pode ser usado também pra passar por fendas e achar itens em lugares escondidos. Além disso, ao segurar o botão de ataque, Ackman solta um poder capaz de obliterar o que tiver pela frente, similar ao kamehameha que seu quase irmão Goku adora soltar por aí . Toda vez que matamos inimigos, eles viram uma espécie de moedinha que érapidamente coletada por um capetinha que fica voando perto de Ackman. Não me perguntem pra que serve juntar tantas moedas, mas pra alguma coisa deve servir. Ackman pode ainda achar algumas armas secundárias como a foice, o revólver e sua amada espada. Além disso, uma bomba pode ser usada pra dar aquela limpada na tela, bastante útil em momentos difíceis.

Go Go Ackman, antes de tudo, é um jogo bastante engraçado e gostoso de jogar. Sua mecânica é simples, envolve tudo que estamos acostumados a fazer em games 2D de plataforma, como pular e atacar. As fases são bem variadas e tem um design bem bacana, mesmo que algumas vezes seja fácil morrer. Os controles respondem bem, mas faltou um botão pra correr, pois alguns saltos ficam difíceis devido às distâncias. Os chefes que Tenshin contrata para tentar impedir Ackman são bem criativos e até mesmo forçado, mas aqui as coisas forçadas são bem vindas. Vão desde um matador de aluguel até um anjo meio afeminado, passando por lutadores de luta-livre entre outras coisas mais bizarras ainda.

Go Go Ackman é um jogo pra ser jogado de cabo a rabo e que pode ser terminado em uma tarde, mas que vale a pena.

Créditos Review: Cosmão

Download(rom em português): Clique Aqui!  

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dicas e Truques: Daze Before Christmas


Seleção de fases:
Na tela de título,pressione B, A, ↓, ←, A, então aperte Start.

Passwords das fases:
Fase 2     TNFRN
Fase 3     SLJFT
Fase 4     SNJLB
Fase 5     KRLHG

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Labels: Donkey Kong Country


Labels 2,3 e 4 foram criadas por Caio Amaral.

Dicas e Truques: The Adventures of Batman & Robin


Continues Extras:
Quando você estiver na última vida do seu último continue, aperte Start para pausar e escolha voltar para a Batcaverna. Ao retornar ao jogo, e quando você perder sua última vida passada, seus continues serão recarregados.

Passwords de todas as fases:
Fase 2 - No Green Peace
Fase 3 - Fowl Play
Fase 4 - Tale Of The Cat
Fase 5 - Trouble In Transit
Fase 6 - Perchance To Scream
Fase 7 - Riddle Me This...
Fase 8 - The Gauntlet

Tutorial: Impressão e montagem de labels para cartuchos de SNES


Primeiro passo:
Preparando as labels para impressão.Nesse passo devemos deixar as labels prontas para serem imprimidas no tamanho exato para a colagem.É recomendado usar o programa profissional como o Corel Draw por exemplo, use as dimensões 8,3 x 4,4 para cartuchos americanos e 10,6 x 3,6 para os japoneses. 
Dica: Não salve as imagens em JPG, pois pode resultar na perda de qualidade da imagem.

Segundo passo: Impressão
Para a impressão pode-se usar folha A4 (folha de ofício) ou papel adesivo que é vendido em qualquer papelaria. Recomendo imprimir com impressora a laser para uma maior qualidade de impressão, mas uma impressora comum também não deixa a desejar se você não for muito exigente.Você pode também levar em uma gráfica, o que pode lhe custar até R$3,00 por folha. (faça o máximo de labels por folha para evitar espaço, lembrando que a folha adesiva é um pouco menor que a folha A4.

Terceiro passo: Recortar
Esse é um passo simples, mas que requer cuidado para não estragar a label, um corte errado e você terá que imprimir novamente.Recomendo usar um estilete na hora do recorte, apoie uma régua sobre a linha e passe o estilete, os cantos arrendondados faça com uma tesoura.

Quarto passo: Removendo o antigo label (opcional)
Se o cartucho ainda estiver com o antigo label, você terá que deixar ele limpo para que receba o novo.Nada que um pano com álcool não resolva.Outra alternativa é desmontar o cartucho e limpar a parte plástica com água morna e uma escova de dentes.

Quinto e último passo: Colagem e acabamento
Após as labels devidamente recortadas, vamos para a colagem, se você imprimiu em papel adesivo, nem preciso descrever como colar, mas se usou o A4 o bom é usar o mínimo de cola, de preferência cola bastão.Para o acabamento utilize papel contact da melhor qualidade possível, sempre com o cuidado de não deixar bolhas. Após aplicar o contact, faça o contorno com uma lâmina de barbear o estilete.Outra opção é utilizar fita adesiva transparente larga, a fita dá uma durabilidade maior para a etiqueta, mas por outro lado pode ser que não fique idêntica ao original.
Créditos Tutorial: Volnês Miranda

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Super Mario World: The Second Reality Project Reloaded

Gênero: Aventura
Ano: 2008
Fabricante: Nintendo
Hacked: FPI Productions
Considerada por muitos a melhor Hack Rom existente. E não é para menos, cada detalhe dela foi feito com muita cautela e lógica.

A Série famosa de The Second Reality Project não vem de agora, este título é o terceiro criado por esse competente grupo. A segunda versão entitulada The Second Reality Project 2 - Zycloboo's Challenge já fazia muito sucesso na época por ser relativamente grande e com um nível de dificuldade bem alto. Eis então que surge essa obra-prima e fonte de inspiração de muitos Hackers.

A história é a seguinte: Bowser está de volta, muito mais poderoso do que antes, ele descobriu uma fonte de energia e criou uma verdadeira frota e com sua nave em uma outra dimensão pretende destruir Mushroom Kingdom novamente! Resta a Mario (Sem Luigi, infelizmente) deter o plano de Bowser!

Com uma história um tanto diferente e precisa, a Hack deveria seguir esse caminho e conseguiu de uma forma que é no minímo espetacular, você não irá apenas passar várias fases e mundos, mas sim se entreter neles, é algo genial onde os mundos correspondem com suas fases, o que também ajuda muito para que isso aconteça são as músicas, todas diferentes do SMW original, elas combinam perfeitamente com as fases.
E falando em fases, este é outro ponto fortíssimo do jogo, muito bem elaboradas, o que era de se esperar mesmo! Mas para jogadores não muito habilidosos a dificuldade muita alta pode prejudicar, porém para quem já tem manha só vê isso como um lado bom, por ser desafiador, e bota desafiador nisso! Muitas passagens secretas o aguardam!

O que não poderia deixar de citar também são os belíssimos gráficos apresentados, tudo muito bem modificado sem exageros e como dito anteriormente, seguindo a trajetória dos mundos.

É brincadeira o que essa FPI Productions conseguiu fazer, do começo ao fim, devem ter pensado muito em fazer cada detalhe.Esta hack é sem dúvida uma das melhores já feitas do Super Mario World.


Créditos Review: Andrew Rosário

Download: Clique Aqui!

Dicas e Truques: Sunset Riders


Seleção de fases e Sound Test:
Na tela de seleção de personagens,aperte L, L, L, L, L, R, R, R, R, R. Agora selecione um personagem. A seleção de fases e o Sound Test vai aparecer na tela seguinte.

Vidas Extras e Continues com qualquer dificuldade: 
Quando aparece na tela de titulo os menus 1PLAYER, 2PLAYERS e o OPTION, pressione R, L, R, L, R, L, A, R, L, R, L, R, L, Y. Agora entre em options. Você pode selecionar até 5 VIDAS e 5 CONTINUES para qualquer modo de dificuldade.

Personagens Iguais:
Comece o jogo normalmente no controle 1, perca e quando aparecer a mensagem “Continue”, aperte Start no controle 2 e selecione o mesmo personagem que o jogador 1 estava usando, depois é só apertar Start no controle 1 e os dois estarão usando o mesmo personagem.

domingo, 18 de novembro de 2012

Dicas e Truques: Michael Jordan: Chaos In The Windy City


Cheat mode:
Entre com o password 12345678999 e começe o jogo com 73 vidas e seleção de fases.
93 Vidas:
Entre com o password 99999999999

Password das fases:
Estado Password
Cells3K5BGX0DR9X
Cells, LaboratoryJGL8PKGHWTS
Cells, FactoryTJQ33CDQZZD
Cells, Laboratory, Factory2SQZ21ZYRHB
Cells, Laboratory, Factory, (todos resgatados) TSMMHGBW43D

Dicas e Truques: Top Gear 2


Começar o jogo com muito dinheiro:
Entre com o password abaixo na tela inicial do game na opção "Continue Game":
GGGG GGGG GGGG GGGGG GGG??
Obs: Este password é somente para 2 jogadores.

Passwords de todas as pistas:

Kirby's Dream Land 3

Gênero: Aventura
Ano: 1997
Fabricante: Nintendo
Kirby’s Dream Land 3 é o terceiro jogo da série Dream Land, estrelada pelo Kirby; lançado em 1997, este é o último jogo da Nintendo para SNES no ocidente, entretanto, não foi o último jogo lançado para o console.

História 
Mais uma vez o rei Dedede está aprontando e causando problemas em Dream Land, novamente Kirby deve consertar a situação, mas dessa vez, ele está acompanhado; entretanto, Kirby percebe que algo está errado com Dedede, parece que algo o está controlando; por conta disso, além de salvar Dream Land, Kirby deve descobrir quem realmente está por trás de tudo.

Gráficos 
Kirby’s Dream Land 3 nesse quesito dá um verdadeiro show, os personagens e cenários são extremamente caprichados e cativantes, a animação do game flui muito bem.

Som 
Outro espetáculo, as músicas são cativantes muito boas.

Jogabilidade 
Se comparado a Kirby Super Star, Kirby’s Dream Land 3 é mais simples, mas nem por isso menos divertido, as habilidades características de Kirby permaneceram intocadas, ao longo do jogo você encontra animais amigos que te ajudam durante as fases.

A dificuldade não é tão alta, o que faz dele um jogo acessível, embora conforme o jogador progride no game, ele se torna mais desafiador.

Considerações finais 
Kirby’s Dream Land 3, como disse anteriormente, é o último jogo da Nintendo, porém, é excelente em todos os aspectos, podendo ser considerado uma despedida triunfal, com chave de ouro mesmo por parte da Nintendo; um jogo que é, sem sombra de dúvida um clássico!


Créditos Review: Gabriel

Download: Clique Aqui!

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Super Nintendo terá novo modelo em breve!

Temos uma ótima notícia para os fãs de plantão! Parece que vocês terão que guardar um pouco mais de dinheiro, pois, além do Nintendo Wii U, vocês poderão ter um novo Super Nintendo. Calma, a Big N não está relançando o SNES, outra empresa fará isso. De acordo com o noticiado pelo Gimme Gimme Games, a empresa francesa Lekki, dará nova vida ao antigo console, que possuirá quatro cores diferentes com um design mais chamativo. Além disso, o pacote ainda traz uma cópia remasterizada de Super Mario World, mas, todos os seus cartuchos antigos rodam no novo modelo do SNES. O videogame chega no dia 28 de novembro, na Europa, por 120 libras.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Brain Lord

Gênero: Ação/Rpg
Ano: 1994
Fabricante:Enix/Opus

Brain Lord é um autêntico action-RPG, ou, RPG de ação, um jogo onde o personagem ataca, salta e resolve quebra cabeças em tempo real, sem batalhas por turnos ou coisa parecida. O jogo tem uma profundidade enorme, coisa que me surpreendeu muito. Quando comecei a jogar, não dava muita coisa pro game, história clichê do garoto buscar seu pai desaparecido, dragões e etc, mas dando uma chance acabei por descobrir um joguinho muito bem feito que pouca gente deve conhecer.

Em Brain Lord controlamos o herói aparentemente sem nome, cujo qual tem por objetivo seguir até a Light Tower em busca de pistas do desaparecimento de seu pai. Como rastro, apenas o objetivo de seu pai, que era destruir o lendário dragão para dar continuidade à herança genética da família, importantes caçadores de dragão de um passado remoto. Para tal, o herói conhece um punhado de amigos que vão ajudando como podem, pois também precisam sobreviver e, para isso, caçam e vendem artefatos que vão encontrando em aventuras.

Pra dizer a verdade, o jogo no começo parece mais uma quest do que a história principal, com um grupo de pessoas indo até a torre em busca do dragão, pois há um pedido por escamas de dragão fixado no pub, o qual premiará o primeiro que trouxer tal item ao ferreiro local. Não joguei à ponto de resolver toda a torre, mas acredito que o jogo vá muito além disso.

Brain Lord é um misto de Zelda com Terranigma, onde o personagem usa armamentos, salta e resolve uma penca de puzzles. Empurrar pedras, pisar em botões e saltar buracos estão entre as atividades corriqueiras do jogo, além de equipar espadas, arcos e usar algumas magias e invocações que ajudam um bocado nas dungeons. O sistema de equip é um pouco diferenciado dos jogos do estilo, sendo que quanto mais coisas o jogador carregar, mais lento ele fica, o que acaba prejudicando saltos e esquivas dos inimigos.

Outro diferencial é que não há o famoso level up aqui: tudo que ganhamos derrotando inimigos é ouro. Portanto, nada de ficar grindando infinitamente pretendendo ser um Chuck Norris medieval, o máximo que você vai conseguir é ficar milionário...

Os gráficos do jogo são bem simpáticos, mostrando o herói por uma vista de cima bastante agradável. Os efeitos são simples e lembram bastante outro clássico do SNES que já passou por aqui também, o Illusion of Gaia (que por sinal é feito pela Enix também). As habilidades do personagem principal geralmente envolvem um ataque carregado que dispara desde projéteis simples até rajadas devastadoras nos inimigos. Tais magias são encontradas em baús ou ganhadas de amigos durante a jornada. As invocações são de grande ajuda e permitem atravessar grandes distâncias sem perder muita energia no processo. As músicas são relativamente simples, o que poderia ter sido melhor trabalhado, mas é algo que não destoa completamente.

Em resumo, Brain Lord é surpreendente. Mesmo com um começo fraco e clichê, o jogo consegue cativar o jogador com seu jeitão meio simples e desajeitado, mas que esconde um profundo game lotado de puzzles bacanas e que, provavelmente, pouca gente conheça. É mais um game que descobri por acaso e que vale a pena ser jogado até o fim!
Créditos Review: Cosmão 

Download(rom em português): Clique Aqui!